Maria Judite de Carvalho é natural de Covas do Douro, Sabrosa, Vila Real.

Publicou POEMAS DA MINHA ANGÚSTIA em 2011, pela Editora Ecopy; POEMAS DE AMOR E ANGÚSTIA em 2011 pela Editora MOSAICO DE PALAVRAS.

Integrou, as Coletâneas ARTE PELA ESCRITA QUATRO, CINCO E SEIS na forma de poesia e prosa.

Editou em 2013, o livro infantil A SEMENTINHA SOU EU na forma de poesia, Edição de autor.

Integrou os volumes I, II, III e IV das coletâneas POÉTICA - da Ed. Minerva - 2012 a 2014.

Integrou em 2014 e 2015, a Antologia de Poesia Contemporânea ENTRE O SONO E O SONHO - Vol. V e VI da Chiado Editora.

Integrou em 2015, a coletânea UTOPIA(S ) da Sinapis Editores.

Integrou o volume I da Antologia de Poesia e Prosa-Poética Contemporânea Portuguesa TEMPLO DE PALAVRAS – I, II, III e IV da Ed. Minerva.

Integrou em 2016 a colectânea TEMPO MÁGICO da Sinapis editores.

Integrou em 2016 a coletânea PARADIGMAS(S) das Edições Colibri.

Integrou a antologia ENIGMA(S) I da Sinapis editores .

Integrou, a antologia ECLÉTICA, I E II com coordenação literária de Célia Cadete e de Ângelo Rodrigues, das Edições COLIBRI.

Em 2017 publicou - PEDAÇOS DO NOSSO CAMINHO - na forma de poesia com fotografias de Jorge Costa Reis



terça-feira, 15 de novembro de 2016

OH!... TERRA MINHA


Oh!... TERRA MINHA

Porque te amo tanto, terra minha?
Se nunca foste terra para me embalares,
Se nascida dum ventre não fecundo,
Que apenas viveu o amor desse teu templo
Nas horas do sono mais profundo.

Na saudade 
Que é o fado de todos nós,
Rasguei poemas, sonhos e horizontes,
Tenho-te em mim apenas num gemido
E nos meus olhos que tanto te procuram,
Te prendo no meu ser
Com a força dos meus versos
E te abraço 
Com a humildade de mendigo.

Em ti deposito a minha essência,
Como leoa que amamenta seus filhinhos,
És o meu mundo, és a minha pátria,
És sal, és água, és luz,
Que faz da saudade 
Que por ti sinto
A minha cruz.

Estou presa a ti como um gemido,
Um cravo, uma flor sem liberdade,
Longe de ti triste vou vivendo,
Como viúva que perdeu o seu amado
E do qual ela se sente sempre rainha,
Não te darei um nome porque te amo,
Ohminha Terra!…
Oh Terra minha!…oh Terra minha.

13-11-2016 - Autora: Maria Judite de Carvalho (Costa Reis)
"Resevados os direitos de autor."

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigado pela visita. Agradeço o seu comentário.