Maria Judite de Carvalho é natural de Covas do Douro, Sabrosa, Vila Real.

Publicou POEMAS DA MINHA ANGÚSTIA em 2011, pela Editora Ecopy; POEMAS DE AMOR E ANGÚSTIA em 2011 pela Editora MOSAICO DE PALAVRAS.

Integrou, as Coletâneas ARTE PELA ESCRITA QUATRO, CINCO E SEIS na forma de poesia e prosa.

Editou em 2013, o livro infantil A SEMENTINHA SOU EU na forma de poesia, Edição de autor.

Integrou os volumes I, II, III e IV das coletâneas POÉTICA - da Ed. Minerva - 2012 a 2014.

Integrou em 2014 e 2015, a Antologia de Poesia Contemporânea ENTRE O SONO E O SONHO - Vol. V e VI da Chiado Editora.

Integrou em 2015, a coletânea UTOPIA(S ) da Sinapis Editores.

Integrou o volume I da Antologia de Poesia e Prosa-Poética Contemporânea Portuguesa TEMPLO DE PALAVRAS – I, II, III e IV da Ed. Minerva.

Integrou em 2016 a colectânea TEMPO MÁGICO da Sinapis editores.

Integrou em 2016 a coletânea PARADIGMAS(S) das Edições Colibri.

Integrou a antologia ENIGMA(S) I da Sinapis editores .

Integrou, a antologia ECLÉTICA, I E II com coordenação literária de Célia Cadete e de Ângelo Rodrigues, das Edições COLIBRI.

Em 2017 publicou - PEDAÇOS DO NOSSO CAMINHO - na forma de poesia com fotografias de Jorge Costa Reis



domingo, 9 de abril de 2017

ABRE-ME A PORTA

S.Pedro do Sul - 2017

ABRE-ME A PORTA

O meu amor é puro,
É suave, é choro errante,
Que desce rios
Límpidos, turvos, 
Calmos e inconstantes.
Aí quem me dera!…
Aí quem me dera!…
Eu ter vivido
Sem ser chamada,
Para pisar
Duros penedos
Nesta calçada.

Nasci formosa,
Simples romã,
Que esperou o Sol
Para crescer,
Aí quem me dera!…
Ser uma criança
E brincar nas nuvens,
Com largos caminhos 
Para percorrer.

Sou um ouriço,
Uma castanha 
Encurralada,
Olhando o mundo
Ora do Céu, ora da Terra
Muito assustada,
Não Te esqueças de mim
Que sou Tua filha
Ó Pai da Vida,
Abre-me as portas 
E as janelas
Da Tua casa, 
Que estou cansada,
Que estou perdida.

S. Pedro do Sul  09-04-2017
"Resevados os direitos de autor."